quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Serafins - Anjos da 1ª Esfera - por António Rosa




Serafins


Os Serafins, aqueles que estão mais perto da divindade, concentram-se nas manifestações vibracionais para manter a divindade intacta e constante e são considerados os anjos do amor puro, da luz e do fogo. Eles certificam-se que nada balança o barco, que nenhuma energia negativa chega até à divindade e ajudam a criar e a transportar a energia positiva através de todos os coros de anjos e para as esferas físicas. Eles não estão em volta de Deus e nem cantam canções bonitas para manter todos felizes.

Eles rodeiam a divindade para assegurar a continuação da sua existência, e canalizam essa energia para nós para continuemos a viver. Supostamente, existem quatro chefes destes anjos, que correspondem aos quatro ventos da Terra, que vergastam o ar com seis asas cada. Os governante dos Serafim são Jehoel, Metraton e Miguel.

Outros anjos desta ordem são Serafiel, Uriel, Kemuel e Nathanael. Quando se estuda os Nove Coros, nota-se que vários anjos são mencionados em mais de uma categoria, subindo e descendo na escada celestial conforme o universo precisou deles.

Este movimento é especialmente verdadeiro em relação aos quatro Arcanjos: Miguel, Gabriel, Rafael e Uriel.

Os Serafins (seres de luz pura) brilham tão intensamente que um humano morreria de susto caso os visse em toda a sua glória. Apenas o Senhor, a Senhora e Miguel são capazes de uma interacção completa com estes seres.

Alguns dizem que as suas faces são como os relâmpagos e as suas vestes, cegam tanto quanto a neve do árctico. Eles estão sempre a mexer e a fazer, são incessantes no seu trabalho.

As pessoas dos trabalhos espirituais podem aceder aos Serafins porque são excelentes na oração e no erguer o poder.

A palavra Serafim significa «ardor». Por outras palavras, estes anjos trabalham com o amor divino e a compaixão que os consomem. Não podemos ir ter com o Serafim e dizer, «Como está»? no plano astral.

Os humanos encontram-nos apenas por convite. Isto não quer dizer que os Serafins não interajam com os humanos, ou não oiça o que lhes dizem. Podem falar com eles e pedir ajuda no trabalho, mas nunca podem vê-los.

Se o vosso anjo da guarda pertence à ordem dos Serafins, podem ver-se envolvidos em qualquer mudança no mundo ou na consciência humana, onde precisam da inspiração, do amor divino e do poder para completaram a vossa missão.

Noutro sistema mitológico, os Fénixes eram anjos da alta ordem, classificados com os Serafins e os Querubins. Eles transformaram-se em elementos do Sol e forma associados com planetas específicos. Tinham doze asas e estavam associados aos pássaros; a sua plumagem era púrpura.


Nas meditações e todos os trabalhos espirituais, trabalhem com os Serafins quando desejarem erguer energia para causas humanitárias e planetárias. Eles ouvem os rituais de grupo.


Este é o mais elevado dos Coros Angelicais. A tradição hebraica descreve-os como serpentes de fogo, uma vez que a serpente é um símbolo de cura e sabedoria. O título de Serafim é composto por SER, que significa "espírito elevado" e RAFA, que significa "o que cura". Um Serafim é, então, "um espírito elevado que cura". O nome de Rafael, o médico divino, não pertence a este coro e é composto por RAFA e EL, que significa filho de Deus. Rafael significa, então, "o filho de Deus que cura".

Os Serafins são descritos como seres brilhantes e incorruptíveis. O seu esplendor é tal que nenhum dos outros Coros pode olhá-los de frente. A sua missão é controlar e dirigir a energia divina que flui do Trono de Deus e inflamar no coração do ser humano de amor por Deus. Por este motivo são conhecidos como Anjos do Amor.

O profeta Isaías é o único que os menciona no Antigo Testamento, no capítulo sexto do livro com o seu nome, onde os descreve com quatro caras (símbolo dos quatro ventos e quatro elementos) e seis pares de asas. Duas asas cobrem os seus pés, duas servem para voar, e com duas cobrem o rosto. Cada asa é do tamanho do céu. Os Serafins rodeiam o trono de Deus, entoando continuamente o Triságono Divino:

Santo, Santo, Santo,
Senhor Deus dos Exércitos.

(António Rosa)

 http://dahnuia.blogs.sapo.pt/32447.html


Web site desta imagem

Ancoramento - por Isaura - 2007

                                           

        
   

Depois de pedir para se fazer 3 respirações profundas.
 

Peço a presença dos nossos Anjos da Guarda, dos santos guias, dos nossos protetores, dos nossos mentores(dizer o nome se souber).

Pedimos a presença e ajuda Aqui e Agora, do senhor Jesus Sananda, Maitreya, Melkisedeque, Gautama Buda, senhor Sanat Kumara, senhor Micá, senhor Metratom, conselho kármico, 24 anciões, mãe Maria, Rovena, Nada, Maria Madalena, Kutumi, Hilarion, Serapis Bey, Zarastruta, El Mória, Senhor Saint Germain e o fogo violeta, senhor Ashtar Sheran e suas naves, e toda a grande Fraternidade Branca;

Pedimos a ajuda e a presença da grande Fraternidade azul de Sírios, a grande fraternidade Rosa de Órion, da hierarquia Solar Galática, os irmãos de Luz Pleidianos, Arturianos, de Shambala, Luxor, Lys-Fátima, Dornes, Tellos, Mirna Jade, Erkses, Aurora, Miz Tli Tlan, Anua Tea, Hiberah, Hoshangrah.

Pedimos a ajuda de Miguel Arcanjo e de todos os Arcanjos, Anjos, Elohins, Serafins,  Elementais de todos os elementos, da deusa Gaia.

De Shiva Hama Kur, Yas Lon Yas, Shtareer e suas naves; Ponto base, Ponto verde e de toda a hierarquia até ao Espírito Santo.

Pedimos a ajuda e a presença de Pena Branca, Iemanjá e de todos os Orixás;

Dos lindos irmãos de Luz: Dragões dourados, azuis, violeta e ultra violeta. Dos tigres brancos, do comando de santa Esmeralda, santa Ametista, santa Clara, da policia intergaláctica, do aspirador multidimensional. 

Pedimos a presença da Luz Shekinah, da energia de Kryon, da energia Lusitana, da luz dourada do Cristo, da luz branca do Cristo cósmico, do fogo do Espirito Santo da Fonte Que Tudo É,
Que dos nossos pés saiam raízes de cristal que nos liguem ao coração da Terra Mãe e da nossa cabeça saia a ligação à Fonte Que Tudo É. Fazemos a ligação ao nosso Ser superior, 

Eu Sou o Que Eu Sou,
 Eu Sou o Que Eu Sou,
Eu Sou o Que Eu Sou.

Acopla sobre este espaço uma pirâmide de cristal cheia de luz violeta que se transforma em luz dourada do cristo.
Damos a mão ao nosso anjo da guarda que está no nosso lado direito e entramos num corredor de luz branca para uma sala de luz branca…


(daqui em diante falamos o que quisermos com os Mestres), no final não esquecer de agradecer.

(2007-Isaura)

ps: Ao falar sobre cada Energia devemos dar um tempo pausado para se ir pensando em cada Ser ou Entidade.


                                        
 «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««
        


imagens:

imagensbiblicas.wordpress.com/.../

 http://www.portograal.no.comunidades.net/index.php?pagina=1681787844

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Levantem-se, Amados Trabalhadores da Luz ! - Mensagem de Melchizedek


1-7, Março, 2011

A glória de sua verdadeira Luz está começando a irradiar através de seus veículos físicos e são prontamente perceptíveis por aqueles que têm "a visão". Continuem com as suas práticas de visualização dos seus corpos etéricos que envolvem os seus corpos físicos, radiantes com a Pura Luz Branca Dourada do Cristo. Essa prática é muito poderosa em ajudar a trazer a Luz maior para os seus corpos, para as suas residencias e para o seu Mundo.

À medida que a densidade sai de seus corpos, se tornam Seres luminosos. Cada um de vocês caminha sobre esse Mundo com um halo de Luz em volta de seu chacras coronários. Essa Luz está crescendo de um modo magnífico a cada dia, portanto, continuem a alcançar cada vez mais alto como o Girassol ergue as suas pétalas em direção ao Sol, celebrando a Vida sobre esse Planeta maravilhoso. A cada dia tentem lembrar-se de agradecer a Terra, o Céu, as Quatro Direções, acima e em baixo, o Ar pela vitalidade e força de vida, a água por sustentar as formas de vida, os Elementais e todos os Reinos sobre e dentro da Terra.

Pois quando vocês estão em estado de gratidão, o Universo apenas ama para lhes dar mais ainda, do que vocês são gratos. Cada noite antes de irem para cama ou talvez a primeira coisa a ser feita pela manhã, é fazerem uma lista de todas as bençãos de suas vidas sentindo realmente, a emoção de alegria, abundância e gratidão vindos do interior de seus corações por tudo que lhes foi dado. Vocês podem sustentar-se na frequência da alegria e da gratidão, apenas na intenção de fazerem isso. É maravilhoso de se observar que cada um de vocês está fazendo isso mais consistentemente e de modo persistente.
Muitos de vocês estão agora movendo-se para os seus próximos passos ao longo de seu Caminho Espiritual que escolheram antes de encarnarem sobre esse Planeta. À medida que deixarem os seus corações e os seus instintos interiores lhes guiar, apenas os seguindo , irão ser levados seguramente e de modo gracioso, para aquilo que é o bem mais elevado para vocês mesmos, bem onde estão agora. As sincronicidades estão fluindo, de modo fácil e milagroso, no interior das suas vidas diárias. As suas vidas estão movendo-se em um ritmo maravilhoso e com fluência Divinas.
À medida que vocês se submetem a esse fluxo e permanecem focados a cada momento, com total e plena atenção, sem estarem divididos com nada, irão começar a experimentar flashes, momentos de intuição e visão. Observem tudo aquilo que conseguirem dessas ocorrências e gravem-na em seus diários com datas e horários. Algumas vezes o seu Eu Superior e os seus Guias estão dando-lhes mensagens que não irão ser imediatamente óbvias, mas que estarão lá, para serem encontradas ao reverem as suas anotações. Muitas dicas e sinais estão sendo dados por todos os lados e aqueles que estão abertos a essas mensagens, irão alinhar-se mais adiante, aos seus Eu(s) Superiores.
Os mundos escondidos estão começando a serem vistos e irão ficar em um estado de deleite ao começarem a ver os habitantes desses mundos à medida que eles começarem a ser visíveis a vocês. Isso, é lógico, irá acontecer à medida que cada um de vocês se entregar ao Amor do Criador e apenas deixarem ir todas as formas de expectativas mentais preconcebidas, para apenas tornarem-se como uma criança, cheia de maravilha e deleite pela magia que lhes circunda. Quando vocês liberarem o último estado de densidade que tem lhes segurado para trás, por tanto tempo, irão começar a sentirem-se leves como o vento, como as nuvens e os seus sentimentos de alegria irão aumentar.

Ao longo desses sentimentos irão chegar momentos de recordações da verdade de vocês mesmos e tudo o que vocês realmente são. Muitos de vocês irão tratar esses flashes de recordações como "vôos de sua imaginação ", no lugar de ser um "realidade". Nós lhes dizemos, Muitos Amados, que precisam ter fé no que estão começando a perceber em sua volta, já que ela é de fato a verdadeira realidade. Acreditem em si mesmos e confiem na orientação que vem do seu interior em todas as coisas. Deixem ir quaisquer medos remanescentes e dúvidas, pois logo irão levantar voo como a Águia à medida que as suas Almas se elevam em liberdade.

E assim isso é !

EU SOU Melchizedek


©2011   Marlene Swetlishoff
tradução Helena Renner
 
Permissão é dada para compartilharem desse Discurso apenas se estiver na sua íntegra, sem rasuras ou emendas, estando incluídos, os nomes da Autora, seus direitos autorais e o
 
Grata por incluírem o link acima ao publicarem esse texto



Web site desta imagem 

amorporgaia.blogspot.com


segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O que são os Raios? - André Louro de Almeida




À medida que os seres humanos se vão deixando atrair à aura colectiva dos vários centros de potência hierárquica da Terra, cada ser está sendo chamado para o centro e o varrimento energético que lhe corresponde. As nossas identidades, a experiência psicológica que nós temos de nós próprios e dos outros, está em completa mutação.

Liz actua no aumento da voltagem do poder atractor da alma sobre a personalidade, actua no estímulo de uma imensa superfície de vibração acima da nossa mente (corpo causal). Liz é um centro qualificado pelo 4º Raio (Harmonia por Conflito), o raio que funde opostos.

O que são os Raios? 

A evolução da revelação do Divino a um planeta não confederado é feita por vagas sucessivas. Geralmente um planeta que não pertence à confederação intergaláctica luta com uma equação complexa composta pela força do passado, pelo coeficiente de células cerebrais activas em média numa humanidade, pela iniciação respectiva do Logos desse planeta e pela natureza dos povos que o habita.

Em termos filosóficos e espirituais, significa que, no princípio existem centenas de deuses, centenas de fragmentos da intuição única, existem tendências animistas. À medida que os milénios passam, é possível começar a revelar gradualmente a existência do único Pai.

A passagem de um planeta não confederado para um planeta em processo de iluminação gradual, é feita através de passos extremamente exactos e isso está entregue a uma ordem cósmica que neste planeta é conhecida como a ordem de Melquisedeque. Esta Ordem mantém o fio condutor entre todas as revelações disponíveis e autorizadas para um planeta. A Ordem e os vários Melquisedeques residentes num planeta funcionam como eixos auto conscientes em torno dos quais, os círculos das revelações que vêm de níveis cósmicos e celestes podem ir descendo, permeabilizando, impressionando o intuitivo colectivo. A Ordem de Melquisedeque é uma ordem de iniciação global, eles actuam ao nível da hipófise da Humanidade como um todo. Só após a 3ª iniciação um discípulo começa a sentir e a responder coerentemente à impressão magnética produzida pelo factor Melquisedeque.

Isso é válido porque as iniciações da Terra são acelerações evolutivas, no entanto, toda a humanidade, na sua dignidade, na sua transparência, no seu amor oculto, articula-se com a Ordem de Melquisedeque. Esses pivots que descem à atmosfera psíquica de um planeta, têm a função de manter concêntricas, nos planos internos, todas as religiões, todos os esforços de ascensão do Homem e todas as descidas de novas partículas de revelação. Os Melquisedeques estão sempre presentes na transmissão, no estímulo e no fortalecimento da consciência do Deus único.

A partir da etapa em que é possível uma Humanidade manter-se minimamente estável perante a força de convexão produzida pela consciência de um Deus único, o que não é fácil porque implica renunciar a camadas e camadas de tendências e de hábitos locais, é possível fazer descer um avatar maior que trabalhe com a consciência da Trindade (que revele a acção dos circuitos do Pai, do Filho e da Mãe), e que possa sem nenhuma possibilidade de produzir nenhum retorno ao politeísmo animista, começar a instruir essa humanidade nos segredos das técnicas de escape que o Divino utiliza em relação ao infinito. Se Ele não se defraccionar em a Trindade Ele é igual a infinito. Para efeitos de Criação, Essa unidade cósmica absoluta e transcendente necessita de se defraccionar em Trindade. A Trindade é uma técnica dissociativa dentro do próprio Divino, de forma a criar funções que permitem a Criação. Sem Criação não é necessário o Filho como contemplador e consciência que mantém e sustém a Criação. E muito menos é necessário a Mãe como substracto e suporte e ondulação a partir do qual é gerada a luz, as linhas de gravidade, o tempo, o espaço, enfim, a tela na qual o Universo é pintado.

O processo de defração do Divino não termina na Trindade. A Mãe, o terceiro aspecto do Divino, subdivide-se novamente em quatro aspectos que são atributos da Mãe (Raios, penetrações activas do eterno dentro do tempo e do espaço).

Cada uma destas quatro formações do Divino são, exactamente, radiações. O Pai, O Filho e a Mãe - o 1º, o 2º e o 3º Raio, que são aspectos do Divino e finalmente o 4º o 5º o 6º e o 7º que são atributos do Divino. A diferença entre aspecto e atributo é que o aspecto é uma técnica de escape em relação ao infinito, é um método de criação, enquanto que os atributos são formas de manutenção do Universo.

O 1º Raio está relacionado com a Vontade e o Poder é um raio de inseminação pura do transcendente para dentro do espaço e do tempo. É a própria unidade.

O 2º Raio está relacionado com a Consciência Cósmica - Amor-Sabedoria. Para existir consciência é necessário haver dois polos, um positivo e outro negativo e a consciência oscila a uma velocidade infinita entre estes dois polos. O polo negativo é a criação em evolução. O polo positivo é o próprio Divino. A consciência cósmica - o Filho - situa-se estável entre estes dois polos e ele gere as sucessivas interpenetrações entre a Mãe e o Pai ele é o resultado dessa relação. Ele é consciência porque ele liga substância à vida pura. De alguma forma, estas grandes categorias do Universo, dá-se um loop sobre ele próprio. No momento em que o Divino reflecte sobre ele próprio nasce o 2º Raio, ele lida com a dualidade. A principal característica do 2º Raio é o Amor.

O 3º Raio, a Mãe, qualifica a dança cósmica - Actividade inteligente diz respeito a todo o movimento, actividade, luz, ondulação, alternância, jogo, dança, em todos os seus níveis.

O 4º Raio lida com a Harmonia 

O 5º Raio lida com a Ciência 

O 6º Raio lida com a Devoção 

O 7º Raio lida com a pulsação, com a disciplina e com o Cerimonial 

Quando nos é dito que sendo Liz um centro de energia feminina trabalha através do 4º Raio, estão-nos a tentar ensinar a forma através da qual é gerado em nós um conflito e através do qual esse conflito é superado.

Um discípulo é um ser que está começando a adquirir uma visão dupla, não mais vê o que está à sua frente (emoções e pensamentos) ele é um ser auto inaugurado acima da mente. A dor do discípulo é a dor da dualidade entre a forma e a vida. Entre a vida que atravessa toda a substância e utiliza formas como trampolins para si mesma e tão depressa cumpre a função que uma forma lhe permite atingir, supera essa forma para uma mais perfeita, e as organizações de substância física, emocional e mental que permitem o encarnar sucessivo de níveis, de voltagens, e de presenças de vida cada vez mais amplos.

Um casamento é uma forma emocional. Um golfinho é uma forma física. O marxismo-leninismo é uma forma mental.

A vida é uma massa avassaladora de perfeição que é transmitida à matéria em evolução. A vida que é um atributo do Pai, é sempre perfeita em si mesma, ela satura electricamente o Universo. O arco de trânsito da vida parte dos altos níveis paradisíacos centrais acima dos universos evolutivos, desce em massa, e por mandato divino, precisa de se exprimir do lado de baixo da tela espaço-temporal.

O espaço e o tempo, as formações biológicas, emocionais, mentais, são máscaras através das quais a vida brinca com ela mesma. Não existem vidas, existe VIDA. O facto de que biologicamente e cientificamente se observa uma mudança de comportamento na matéria, da passagem do inorgânico para o orgânico, ou seja, a partir de um certo grau de combinação de proteínas começam a acontecer palpitações que os físicos e os químicos definem como vida, essa vida não é a vida dos ocultistas, essa é a vida dos bioquímicos.

A vida dos ocultistas é um facto perfeito e suberano por detrás do espaço e do tempo, no qual várias combinações de vida são possíveis.

O discípulo aprendeu a olhar para si próprio como um suporte de vida, que tudo é uma onda de vida, e que essa onda vai lutar até às últimas consequências para plasmar a perfeição na matéria e na substância em ascensão. O Divino na sua perfeição, auto emana-se para fora da transcendência e coloca a si próprio um problema que é o espaço-tempo, um garrote que limita a passagem do princípio vida, da perfeição.

As organizações periféricas de pensamento, são formas alfandegárias de ir adaptando essa potência perfeita que emana do centro do teu ser ao problema do espaço e do tempo.

Nós somos diafragmas entre a eternidade e o tempo. Nós estamos sendo chamados a uma progressiva plasticidade até que finalmente o barro se transforma em óleo.

O discípulo foi amorosamente retirado da tripla gaiola humana e colocado na gaiola nº 4, a intuitiva, de forma que ele adquire uma dupla visão e ele vê a forma, e a forma como a forma revela qualidade da perfeição e do infinito.

O problema principal da nossa alma é superar a dualidade entre a substância e o espírito. Ela tem uma parte que está impregnada de substância - ser psíquico - e tem outra parte completamente virada para o Divino - eu superior - então, a nossa alma é um espectro entre o eu psíquico e o eu superior, e muitas vezes, sofre a tensão do facto de o Universo estar em construção.

A dor de um discípulo formado é a consciência de que existem zonas do universo que não foram ainda terminadas, porque abaixo da alma há este imenso oceano de incomplitude, de confusão, de caos, de obscuridade e acima da alma temos a presença divina que não pára. A nossa alma está sendo submetida a uma força divinizante ao mesmo tempo que é submetida à máscara do espaço e do tempo - esta é a crucificação e a dualidade que caracteriza o discípulo.

À medida que o processo se aprofunda, a alma começa a ser admitida gradualmente na região monádica e no vórtice divino que é a mónada. Cada vez mais tu percebes que há um sorriso em ti que é independente dos acontecimentos exteriores. O 4º Raio é esse sorriso.

Existem três etapas de iluminação dentro da condição de discípulo. Quando um ser entra nesta condição pela primeira vez, ele compreende como tudo limita a vida (o corpo, as emoções, a mente), ele contempla a totalidade do problema dos três planos inferiores.

Existem crianças sem afecto porque existem crianças com excesso de afecto no planeta, existem zonas ou famílias ou lógicas que fecham a energia afectiva no planeta. Estas concentrações no plano afectivo acontecem no plano económico, no da alimentação, etc.. A energia afectiva que devia funcionar como um fluxo homogéneo de forma a não ser retido em nenhum momento, devia circular sem encontrar nódulos de resistência e funcionar como uma imensa maré. Dão-se fenómenos de primeiro mundo e de terceiro mundo a nível afectivo. Há pessoas e famílias que fazem ampolas de resistência afectiva dentro delas, isso faz com que todo o grande fluxo de amor que deve circular no plano astral, fique retido em certas zonas. O amor nos planos superiores não pode ser espelhado no seu oposto, mas não há nada mais fácil de inverter no seu oposto, do que o amor no plano astral. Tu gostas de mim enquanto eu correspondo à tua expectativa sobre o que tu achas que eu tenho que ser, porque se te desaponto, é como se eu não existisse mais. É assim que as pessoas vivem. Eu tenho que aprender a amar o outro pela essência dele.

A primeira iluminação de um discípulo acontece quando ele vê como tudo limita a vida e ainda que isto seja, num certo nível, uma experiência de dor, num outro nível é uma iluminação, porque ele pela primeira vez está a começar a sair das trevas, a distanciar-se da fé que ele colocava nas formas. Ele está numa condição equivalente ao touro branco da mitologia que tem apenas um só olho, ele está completamente estável sobre a Terra, o Divino dentro dele despertou, e ele tem acesso a um primeiro olhar de Deus através dos seus próprios olhos.

Tu apreendes a afectividade com os olhos do Pai e não mais com os olhos psico afectivos, sócio-económico-civilizacionais, etc..

O amor palpável e visível é a grande forma de exprimir amor. A consciência cresce através das formas para além das quais o amor é expresso. Quando a família faz uma ilha e é incapaz de crescer afectivamente para fora da família, para outros núcleos, ela torna-se um foco de paralisia da energia afectiva. A família devia ser a primeira a ficar em paz quando um membro da família declarasse que tinha decidido caminhar para o Divino, mas as famílias, a partir do momento em que um chega lá e diz: “o meu caminho é na direcção do Divino”, entram em pânico, porque elas aceitam um modelo de amor mas não aceitam o amor total e o amor total liberta, devolve as pessoas à sua verdadeira identidade, que é uma identidade pré e pós familiar.

A família é um episódio na vida da alma, nós temos dificuldade em encarnar sem passar através da família, mas a alma é um arco de consciência anterior à família e posterior à família. A família não gangrena afectivamente quando aprender a respeitar esses arcos de consciência. A família aceita enquanto o arco de consciência for entre o socio-económico e o familiar, entre o profissional e o familiar, agora, quando uma alma declara a sua liberdade maior no seio da família, ela imediatamente não sabe como lidar com esse factor. O que é que se passa? Ou a família cresce ou o planeta explode. As famílias correctas são formadas por atracção entre as almas. Acima das famílias por atracção entre almas, começam-se a formar grupos espirituais por atracção entre mónadas, e as famílias deveriam aprender a reverenciar, a amar, a proteger aqueles que têm possibilidade de responder a um impulso mais alto.

Em qualquer sociedade tradicional, o rapaz de 11 anos que começa a falar das coisas mais altas da tribo, é levado ao ancião da montanha. A nossa sociedade perdeu o contacto com o ancião da montanha e não sabe o que fazer com a criança especial e como ainda por cima, devido ao tipo de processo que a civilização está a viver, a criança especial está-se a revelar em centenas de milhares com 30, 40, 50 anos, as famílias, de repente, vêem-se em cheque no seu modelo tradicional.

O que está a mexer com a energia da família não é um choque comportamental, é que, ou a família cresce para os níveis espirituais e aprende que o amor da família é da família, e o amor de Deus é de Deus, e aprende a fornecer apoio para uma vocação espiritual autêntica no seio duma família, ou ela começa a colocar-se, sem dar por isso, contra a onda de auto revelação maciça da humanidade a si própria. E é por isso que muitas famílias estão em desactivação acelerada. As famílias estão a ser postas em causa, porque elas não estão a saber evoluir para dentro do espírito.

Não há nada na estrutura de uma família que precise ser posto em questão, que impeça a iluminação total de um ser (senão não haveria famílias de mestres e há mestres e discípulos avançados que formam família), mas há alguma coisa no subconsciente dos seres que formam a família que impede, então, quando há um que desperta no seio de uma família, a família é convidada a crescer.

A partir do momento que tu tomas consciência do que limita a vida, começas a operar no nível da segunda iluminação do discípulo, começas a tomar consciência do eu, da realidade que está por detrás da realidade que limita a vida. Na primeira iluminação tu apercebes-te do que prende. Na segunda iluminação tu apercebes-te do que liberta.

As pessoas que estão neste momento tendo uma experiência de redução dolorosa da sua liberdade, de perceberem como tudo é antagónico à sua necessidade de perfeição, eles estão a chegar à primeira iluminação. Essa não é uma experiência de limitação. Ter consciência do que limita, é uma libertação. Esta é a diferença entre não ter consciência e não se sentir limitado, e finalmente, aquele que julgava que era um insecto rastejante descobre que tem asas, dá-se o síndroma Fernão Capelo Gaivota, que é um conjunto de sintomas muito específicos e nessa primeira iluminação, tu percebes que podes voar e ao mesmo tempo, encontras-te numa sociedade para quem tudo o que seja acima da manutenção básica, é remetido para o plano da utopia.

Pela primeira vez o pássaro apercebe-se que está dentro duma prisão, essa é a condição da primeira iluminação do discípulo.

Por André Louro de Almeida
 .
Imagem da autoria de Daniel B Holeman
 

domingo, 4 de dezembro de 2011

Entrando em ALFA



Devemos aprender a entrar em estados alterados de consciência de modo natural, com aumento da energia, mantendo-nos plenamente conscientes, lúcidos, exercendo nosso autocontrole, pois somente dessa forma eliminaremos as doenças, as drogas, os vícios e os problemas de nossas vidas. Para entrarmos em estado alterado de consciência, precisamos entender como funciona nosso cérebro e suas freqüências: beta, alfa, teta e delta.

As ondas cerebrais são formas de ondas eletromagnéticas produzidas pela atividade elétrica das células cerebrais. Elas podem ser medidas através de aparelhos eletrônicos como o eletroencefalograma. As freqüências dessas ondas elétricas são medidas em ciclos por segundo. As ondas cerebrais mudam de freqüência baseando-se na atividade elétrica dos neurônios e estão relacionadas com a mudança dos estados de consciência (concentração, relaxamento, meditação, etc.).

FREQUÊNCIA BETA
Nesta freqüência, estamos bem despertos e em alertas. A mente está concentrada e preparada para a execução de trabalhos que requerem atenção. No estado beta, os neurônios transmitem as informações rapidamente, permitindo-nos atingir altos estados de concentração, percebendo o mundo físico através dos nossos sentidos. Tudo o que é ligado à lógica, ao raciocínio, ao pensamento, isto é, a uma atividade mental, corresponde a esse nível que é o da consciência do mundo material percebida através dos nossos cinco sentidos.
As ondas betas ajudam nos estudos, na prática de esportes, ou seja, atuam na análise e na organização de informações onde a concentração mental é necessária para um bom desempenho. A faixa de ondas beta está entre 21 e 14 ciclos por segundo. O estado beta está associado à concentração, atenção e formação de novas cognições.

FREQUÊNCIA ALFA
As ondas vibratórias emitidas pelo cérebro em estado alfa estão abaixo de 14 ciclos/segundo. Fisicamente, a pessoa está de olhos fechados, com os sentidos parcialmente adormecidos, num estado de descontração e relaxamento profundo que corresponde ao pré-sono ou adormecimento.
Após muita prática consegue-se chegar a esse nível de olhos abertos. As ondas alfa são comuns antes do sono profundo e um pouco antes de acordarmos totalmente; é o estado que Jung chamou de estado "hipnagógico"; corresponde ao que chamamos "estado de consciência superior", pois a pessoa ultrapassa a barreira mental e entra num estado de percepção extra-sensorial, tendo pensamentos intuitivos e criativos. Podemos entrar nesse estado através de relaxamentos, pois quando aprofundamos a atividade cerebral, baixamos do estado beta para as ondas alfa que são mais lentas. A nossa consciência se expande. Flui energia criativa e desaparece a ansiedade, aparecendo uma sensação de paz e bem-estar.
As ondas alfa são excelentes para a solução de problemas, para memorização, relaxamento e para a prática de visualização com o objetivo de melhorarmos nossos desempenhos em todas as áreas de nossas vidas. Nesse estado alterado de consciência, sem uso de quaisquer drogas, temos mais acesso às nossas capacidades que são chamadas de paranormais. Ao funcionarmos nesse nível de consciência, abrimos uma porta para estados de consciência mais profundos onde "todos somos um" (UNICIDADE). Nesse estado de consciência, quando chegamos à ciclagem 10.5 ciclos por segundo, atingimos a Schumann Resonance - a freqüência do campo eletromagnético da Terra. Nessa freqüência, consegue-se a telepatia, premonição, retrocognição, etc...

FREQUÊNCIA TETA
Se aprofundarmos o nível alfa abaixo de 7 ciclos por segundo, chegaremos, com a prática de exercícios de relaxamento, ao nível teta onde ocorre inclusive a cura do corpo físico. No nível teta, nossa atividade cerebral baixa quase ao nível do sono; é quando temos a sensação de estarmos caindo ou misturamos com o que acontece naquele momento na vida real (sons que ouvimos no ambiente), isto é, misturamos a realidade que ouvimos com os sonhos. Teta é o estado cerebral onde aumentamos a capacidade mental. É nesse estado de consciência que aparecem os flashes do nosso inconsciente e o acesso às memórias esquecidas.
Pode-se sentir a mente se expandir além dos limites do corpo. Portanto, teta é o estado ideal para a cura e também para a aprendizagem. Sabemos que a consolidação do que aprendemos durante o dia acontece quando dormimos. Também em teta podemos nos livrar de condicionamentos indesejados; é neste estado que ao sonharmos nos lembramos do sonho ao acordarmos. Também abrimos o inconsciente e podemos reviver cenas que causaram traumas no passado e nos curarmos das seqüelas que foram deixadas por eles.
Nessa frequência cerebral, aumentamos a criatividade, por isso surgiram os inventos de Henry Ford, Thomas Edison, etc...
Conta-se que Thomas Edison adormecia levemente em cima de seus experimentos e despertava com as soluções. A freqüência de ondas teta está abaixo de 7 ciclos por segundo. Recebemos informações para além do nosso estado normal de consciência, ativando estados mentais extra-sensoriais; intuição, criatividade.

FREQUÊNCIA DELTA
Estado inconsciente. Ondas cerebrais abaixo de 4 ciclos por segundo. Ainda se conhece pouco o que ocorre nesse nível.
A pessoa está de olhos fechados, inconsciente e com todos os sentidos adormecidos. O corpo está apenas na sua função automática e a pessoa se encontra insensível à dor. Corresponde ao estado de hipnose profunda. Os sentidos estão completamente adormecidos e a pessoa está totalmente inconsciente. Corresponde a um estado de coma profundo, de sono profundo ou de anestesia geral.
Delta é a mais baixa de todas as freqüências de ondas cerebrais. É em Delta que liberamos o hormônio do crescimento humano (GH), que é liberado se não fizermos nenhuma alimentação pesada 5 horas antes de dormir.

No início de nossas vidas, esse hormônio (GH) é usado pelo nosso organismo para o crescimento; quando cessa o crescimento, nosso organismo o usa para nos manter jovens. Essa liberação é benéfica, pois beneficia a cura e a regeneração celular.

CONCLUSÃO
Podemos, através do relaxamento, atingirmos as ondas alfa e teta e fazermos a diferença nas nossas vidas. Quando praticamos o relaxamento, o nível da atividade cerebral se torna mais lento, produzindo ondas alfa. Nesse estágio, a pessoa se torna calma, tranqüila, em paz e em harmonia, pois quanto mais profundo é o relaxamento, mais lenta é a atividade cerebral e mais a consciência se abre. Através dessa prática, podemos programar nossos sonhos e através dos sonhos, a consciência nos coloca em contato com mensagens e ensinamentos vindos de nossos antepassados. Ao nos conectarmos com nosso eu mais profundo desligamo-nos das solicitações externas e reabastecemo-nos das energias da consciência superior, descobrindo, dessa forma, nossos potenciais internos, capacidades nunca antes imaginadas, que se manifestam à medida que avançamos em nossa caminhada interior.


É nesse mundo interno onde somos DEUSES: "Vós sois deuses e filhos do Altíssimo, todos vós. Podeis fazer tudo o que faço e muito mais".






por Aparecida Santos - cidapsantos@uol.com.br

retirado do blog: Rooglish -Somos Todos Um
http://rooglish.blogspot.com/2011/11/entrando-em-alfa.html

terça-feira, 29 de novembro de 2011

14º Comunicado dos Cavaleiros do Cristo por Vitória a 26-11-11

 
Amados discípulos do Cristo, em nome do Pai, da Mãe e do Filho, nutrida do Espírito do Fogo Sagrado, venho nesta humilde escrita de forma generalizada, informar, que o tempo da escolha da câmara secreta do coração em todos os que habitam o planeta foi analisado cirurgicamente, pelo Olho da Fonte que Tudo É.
 
No Portal 11:11, através do nome ainda Portugal ligado e ativado à energia do Grande Sol Central Galáctico EL, decretado pelo Cristo Solar, a Terra recebeu uma energia de Fogo Sagrado, que chegou aos Continentes e mundos internos do planeta.
Mudaram-se Cristais, energizaram-se outros, limpámos, fechámos e mudámos portais que foram violados pelo abuso do livre arbítrio e tentativa manipuladora das hostes trévicas, tendo desviado alguns irmãos e atraindo-os para a sombra, porque assim também o permitiram, que falharam algumas missões, designadas na matéria.
 
Alguns portais e ou a sua energia Intraterrena imaculada e sagrada foram mudados para Portugal, com propósito divino e alteração do eixo do planeta que irá suceder.
 
Quão sagrada é a energia Intraterrena do chão que pisam de nome Portugal. Quão sagrado é o ar que respira no cume das montanhas.
 
O Cálice foi purgado e energizado cheio de Fogo Dourado Diamante. Foi por instrução de Jesus, que os portais e novas energias Intraterrenas se instalaram em Portugal.
 
Em 2009, Jesus disse que se iniciaria o trabalho de despertar e levantar uma Nação Sagrada para o mundo… De Portugal para o mundo… De Portugal para 14º Comunicado dos Cavaleiros do Cristo o mundo e assim foi… Grandes trabalhos e mudanças desde então…mas ainda são muito poucos os despertos…
 
Visitámos Templos sagrados, cidades Intraterrenas, energizamos e limpámos locais de culto, decretámos ativação de registos na raça humana, ativámos energeticamente reinos internos, decretámos a erradicação do iníquo, houve encaminhamento de almas aprisionadas e aprisionámos seres das trevas, aceitando alguns deles trabalharem na Luz.
 
Removemos grandes quantidades de ectoplasma de locais com Fátima, Lurdes em França e outros locais no planeta.
 
Decretámos abundância ilimitada e proteção, aos puros de coração, que ancoram a luz crística, aos animais, aos reinos…
 
Alerto o Sul de Portugal, para que estejais atentos, procurai o fogo sagrado, despertai, é urgente…É necessário sustentação energética em alguns locais do país, como exemplo a cidade do Porto…
 
Alerto para a tentativa da Ordem do Dragão Negro, tentar destruir o Cálice com a ilusão de fusões com países vizinhos.
 
O Cálice vem das Mãos do Pai, colocado sobre o Manto da Mãe que acolhe o Filho – O Cristo com o Fogo do Arco-íris, para as 
Nações sem Fronteiras, Selá…é o Espírito Santo, do Cálice para o Mundo.
 
Vagões de almas irão desencarnar, o Fogo será imenso e tão intenso, o Som Sagrado dos Elohim e sua vibração pulsará cada célula do vosso corpo, como a da Mãe Gaya. Alterações geográficas sucederão, o Trigo do Joio já se manifesta, os que vacilam procurarão o fogo sagrado, que os purificará, outros já não são mais…não passarão…todos se confrontam com o fogo cósmico de imensidão de luz electromagnética …os justos e puros brilharão como o Sol que carregam dentro de si… 
Brilharão, Siddhi.
 
Os trabalhos do Portal 11:11, iniciaram-se antecipadamente ao longo do ano, sendo a ligação ao Sol Central, decretado dia 7.11.11, até ao dia 11.11.11., dia da consagração onde chegaram hostes Arqui-angélicas, uma semana intensa e semanas antes muito penosas, de profundos alinhamentos energéticos em alguns irmãos, para cumprimento da tarefa. 
 
Gratidão Profunda.
Carregais a dor do mundo… a dor da MÃE…
 
Na costa Portuguesa, sobre o Oceano Atlântico Índico e Pacífico, estiveram naves de Asthar Sheran, tropas de Shtareer foram destacadas para o Médio Oriente e Egipto.
 
Houve mudanças de Cristais em Espanha, extremamente densa que levou fogo violeta, Irlanda e Inglaterra, fogo verde esmeralda, França fogo rosa, Itália (não autorizada a comentar), América fogo branco, Rússia (não autorizada a comentar).
 
Grande Energia vinda também e decretada de Orion, Júpiter e Arvona, dos grandes Sóis Centrais Galácticos para a Terra.
 
A Confederação e Supra confederação com as Hostes visitaram o Amazonas, Tibete, Ilhas Sagradas, Titicaca, Fugi, Monte Shasta, Ilha de Páscoa, Nova Zelândia, Grécia (Atenas), Andes Chilenos, Argentina, Uruguai, México (Pirâmide do Sol), Açores, Madeira, Brasil, Suíça, Bermudas.
 
Em Portugal a Peneda, todo o Gerês, Dornes Sintra, Coimbra (Convento de Santa Clara), muito intenso... Tomar, Serra da Estrela, Ericeira, Figueira da Foz… o País foi observado cirurgicamente….
 
Queridos irmãos (as), esta foi a informação autorizada a ser divulgada de momento.
 
Aos irmãos e irmãs ligados à energia da LYS, Erks, Shamballa, Aurora, MiZ Tli Tlan, Andes Chilenos, Minjard, gratidão cósmica. Gratidão aos Devas aos Elementos, aos irmãos Estelares, pelo trabalho tão intenso e energeticamente activo.
Vós sois a Vitória.
 
“Amada Nação Sacerdotal, o planeta será uma Rosa, a ROSA DO CORAÇÃO DA MÃE”
 
“É no silêncio, que se ouve o sopro do Verbo”
 
Gratidão
EL Olam
Vitória
 
 
 
Nota:
 
Em 14 de Dezembro de 2009, Vitória escreveu através da Energia do Espírito Santo:
 
Em cânticos, em oração e meditação apelai à Mãe Divina Universal, apelai a nossa Senhora Maria, com os seus anjos que conduzam as vossas almas, por meio da chama do Amor ao retiro da chama da sabedoria.14º Comunicado dos Cavaleiros do Cristo.
 
Pedi pelos portadores de luz em todo o mundo, para que sejam libertados, regenerados, purificados e protegidos e em contínua ascensão, porque eles também pedem por vós, que com os poderosos Arcanjos a revolução cósmica na Terra e a rotação cósmica do planeta seja restabelecida, porque assim ao usarem o som primordial, os vossos chakras e os da vossa alma gémea, ajudarão a intensificar as vossas presenças electrónicas e as dos vossos irmãos, necessária também para a rotação do planeta terra.
 
Regozijo-me na chama de Jesus, com as Hostes Seráficas da Luz, com as confederações Intergalática, na presença do nosso amado e amigo comandante Asthar Sheran.
 
“Eu Sou a Ressurreição e a Vida de toda a Grande Fraternidade Branca do Cosmos no Espírito e na matéria, através do vosso 
cálice."
 
Pelo sagrado Coração da Mãe Maria na vitória do Cristo, pela Rosa do vosso coração, por todos os Santos, pelo Sagrado Coração de Jesus, que o Amor resplandeça, que a Luz do Cristo resplandeça.
 
Vitória




Para ler os Comunicados anteriores vá AQUI

Para se inscrever na nossa mailing list - avatares-do-cristo@googlegroups.com
 
Autor da imagem: Daniel B. Holeman

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Irmãos, Levantem-se Cavaleiros! - Mensagem de Arcanjo Miguel recebida por Isabel Angélica a 15.11.2011

 
Eu sou Miguel, Arcanjo do 1º Raio da Verdade, do Poder e Justiça Divinos.
Amados, grato por esta oportunidade de ser recebido em Amor e União.
No passado dia 4 de Janeiro do vosso tempo transmitimos uma mensagem onde referíamos que o tempo da experimentação tinha acabado (LEIA AQUI). E de facto assim é! Assim mostra a energia deste ano de 2011, onde vibra, cada vez mais, a energia da Unidade!
Não há mais espaço para a separação ou para a divisão. O joga da Humanidade mudou de mãos e agora compete a vós, irmãos, manter a sincronia com estes desígnios do Espírito e, acima de tudo, com os vosso desígnios. Pois, vocês, meus irmãos, são soberanos na realização da vontade do vosso Eu Superior que se une em Amor a um consciente que deseja ancorar a Unidade no todo aqui na Terra.
De outra forma não poderá ser.
Não mais.
Toda a desarmonia está a ser exposta. O desequilíbrio está à vista. Deixem entrar o equilíbrio. Com muito amor e paciência, permitam-se à felicidade.
Sim, irmãos, acabou o tempo da experimentação onde viveram a espiritualidade moldado ao vosso ego. Acabou o tempo de comandarem as energias a bel-prazer do vosso querer.
Agora é tempo de Unidade e Harmonia. O que vibra fora deste tempo e deste espaço não linear não irá continuar mais activo na Nova Terra, nem na Chama Trina do Novo Homem. As energias da Mãe e do Pai assim irão reger estes desígnios.
Agora é tempo de levarem à frente bandeira da Liberdade, resgatando às vossas essências crísticas e puras, ancoradas na câmara secreta do vosso coração.
Agora é hora de olhar a sombra que carregam como um mestre e honrar a sua cura consciente e responsável. Mas sem vivê-la mais. Chega!
Agora é hora de ir fundo na vossa Verdade, mais profunda e interna, pois o poder é vosso, em Amor. Honrem o vosso Coração.
Irmãos, levantem-se Cavaleiros!



Recebam o despertar que as vossas almas tanto clamam! O Bem Maior aguarda-vos e deseja os seus Cavaleiros puros de coração ao serviço.
Porto Graal está a ser preparado para que a sua Missão se cumpra, mas são necessários os obreiros. Curem, activem e assumam os Cavaleiros Sagrados que são, renascendo em cada coração a energia dos Raios Azul e Rubi. Aprofundem, caso seja esse o caso, fazendo a actualização interna da Missão.
Nunca se esqueçam o quão honrados e amados são. 
Eu sou Miguel.
 

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

O caminho para a Super Vida. O recolhimento da Shekinah (Espirito Santo). Adoração. 2 triângulos: Miz Tli Tlan/Lys/Iberah; Aurora/Lys/Iberah


Tudo o que é criado e está sujeito ao impulso evolutivo tem um sonho.

Tudo aquilo que foi “pincelado” pelo Poder da Vida, sonha, e o sonho de toda a vida é a Super Vida.

Existe Subvida, Vida e Super Vida e a experiência evolutiva, frágil ou majestosa é um vector da Inteligência do Universo tentando levar tudo à Super Vida, tentando guindar a experiência cósmica para além da entropia, para além da lei da morte.

A evolução natural é um poema da escala da subvida para a Vida sonhando sendo queimada pelo fogo do sonho da Super Vida. Todo o Universo criado procura a Super Vida.

Quando os golfinhos saltam no ar e voltam a mergulhar, sem sonho isto não é possível. Os golfinhos, sendo atravessados por correntes de Vida muito intensas, dificilmente conseguem conter no seu corpo a voltagem e os saltos são a celebração, é o momento de encontro entre a Vida e a Super Vida, é o momento em que aquela corrente de vida celebra o seu potencial cósmico.

Trata-se exactamente da mesma coisa quando os pássaros cantam em horas específicas do amanhecer ou do entardecer.

O cântico é a tradução de uma saturação energética. Também pode ser uma expressão de privação de energia, como os cânticos dos escravos norte americanos, mas nós estamo-nos a referir ao cântico de exaltação, de projecção para além, ao cântico que liga a nossa consciência às fibras ópticas invisíveis dos anjos.

Este cântico que nos alinha com os Pais Superiores, com os Universos de Fogo, começa em nós, por vezes, pela extrema privação da vida e da energia – é o cântico do prisioneiro.

Também existe o cântico de exaltação, de adoração, que é um fenómeno da Super Vida tocando a Vida, é um momento em que a promessa de um horizonte universal de luz maciça, sólida e suprema se irá plasmar nas águas plásticas da Criação.




A Celebração é o reconhecimento do contacto entre a esfera do Pai (a Super Vida) e a esfera evolutiva (a esfera da Mãe).




O que caracteriza a subvida é a pulsação inconsciente. A substância foi visitada, uma voz quente de fogo falou para dentro das câmaras de ressonância da substância universal. A substância teve a sua memória despertada num certo grau, ela aprendeu a suspeitar da evolução, ela está a assumir a espiral.




A substância universal começa na subvida, começa a reflectir o conduto em espiral que conduz ao alto, começa a aceitar o impacto do Fogo Criador, mas a consciência não existe, existe uma pulsação semi consciente ou inconsciente.




O que caracteriza a Vida é que a consciência pulsa ali. Há percepção de si. Há um ponto que observa e atribui valores à sua volta. Há um centro e uma periferia que está sendo assimilada progressivamente.




A Vida é uma celebração da consciência. A subvida é uma pulsação, é uma celebração do ritmo, do primeiro toque, mas na Vida a consciência está presente. É como se o Filho cósmico se espreguiçasse e começasse a receber as primeiras ondas de calor contínuas vindas de cima e à consciência este Filho diz: EU – ele tem consciência de si.




Nesta progressão o homem é apenas um detalhe, é uma operação de comutação entre esferas cósmicas, é um ponto de encontro. É no homem que a vida emergente aprende a sonhar com a Super Vida.




Nós somos anjos físicos, centelhas divinas exprimindo-se através desta estrutura. Se nós fizéssemos agora um trabalho mais transcendente falaríamos neste registo: “Nós somos mónadas”, mas como a preparação para a Ascensão da Terra implica uma compreensão metafísica do corpo e o amar o corpo metafisicamente, nós podemos também ver o que somos incluindo todo o passado cósmico.




Nessa outra percepção de nós mesmos percebemos que a função Homem é como Ícaro à beira da falésia. Nós estamos à beira do desconhecido e todo aquele que não está à beira do desconhecido não é plenamente humano.




A função humana atinge o seu pico frente ao desconhecido porque toda a massa universal nos usa para sonhar com o Divino. Nós somos responsáveis por manter o sonho universal.




Esta nossa função de trazer a nós a síntese do Universo, desde a “Grande Explosão” até hoje, é o que nós somos se nos observarmos como uma entidade ascendente.




Nestes encontros nós temos trabalhado muito no sentido de nos definirmos como seres cósmicos em serviço à Terra e isso ajuda-nos a compreender o nosso sagrado desassossego, ansiedade e perturbação criativa.




Existe outra forma complementar de observar o homem que é a forma da Mãe (da entidade feminina universal encarregada de arrastar todas as partículas de novo até ao Pai, porque se a Vida é o Filho – consciência emergindo – a Super Vida é a reunião final da Mãe com o Pai, é a erupção do Pai nos suportes fornecidos pela Mãe, sem entropia. Isto é a definição do Éden – o Jardim onde a morte não entra.

Nesta outra percepção de baixo para cima tu funcionas como Ícaro à beira da falésia, isto é, atrás de ti estão os passos conhecidos, os territórios explorados e os mapas. À tua frente não há mapa.




Este ponto à beira da falésia com um vasto território desconhecido sem mapa, sem linguagem, sem conceitos, tu sabes que o Universo segue naquela direcção e que tu és responsável por fazer avançar a consciência para além daquele ponto.




É neste laboratório que tu te tornas plenamente humano e a função humanidade é como que a última camada de esforço da Mãe universal na sua tentativa de elaborar o problema da fusão com o Pai. Essa fusão é individual com os Mestres Ascensos. Eles são uma expressão do casamento integral entre a Mãe, o Pai e o Filho. São uma implosão da Trindade e uma revelação do que resulta dessa síntese final. Isto é o que define a Ascensão individualmente. O que define a Ascensão colectivamente é esta capacidade de responder à Super Vida, de compreender qual é a função do homem e de aspirar a dar o passo ousado.




Sempre que houve ousadia a consciência expandiu-se ao ponto de poder receber melhor os envios da Super Vida.


O Universo é uma experiência alquímica na qual a Mãe – a responsável pela organização da substância – busca moldar a forma perfeita, o suporte exacto para a descida da Super Vida.


O objectivo da Criação é manifestar a Super Vida e por enquanto nós somos vivos.


A Era em que estamos entrando é uma Era em que o esforço da evolução espiritual no planeta é feito através da Mãe.


Existem planetas conhecidos, à escala cósmica, como planetas do tipo UR que têm como função testar e desenvolver a Vida em muitas direcções: na direcção da biodiversidade; do refinamento dos sistemas nervosos; da capacidade da substância captar o Divino.




Chama-se “estações UR” porque são zonas do Universo onde é colocado um vórtice de grande aceleração vibratória, visando, o mais rapidamente possível, exprimir a Super Vida.


Um planeta tem uma contraparte invisível composta por um vórtice – não tem nada a ver com a forma esférica do planeta – ele é um ponto de convergência de intenção divina, é um nexo na trama das intenções divinas ao longo do espaço cósmico.

É um ponto onde a intenção se torna mais concentrada. É como se se tivesse uma convexão do Divino naquele ponto – gravidade –, o que vai atraindo matéria que se vai organizando em torno desse vórtice e vai arrefecendo e nasce um planeta (descrição grosseira do processo).


A Terra é uma estação UR, é um planeta destinado a aperfeiçoar a matéria ao máximo possível.




Existem planetas imateriais que não chegam a um grau de convexão dentro da gravidade tão potente, não existe massa.




Existem planetas mais densos que a Terra mas que não têm funções de aperfeiçoamento das ligações substância/Verbo.


Estações UR são planetas que nascem para ser polidos como uma jóia e para explorar o potencial da substância nesses vectores: biodiversidade; refinamento eléctrico e capacidade de fixar o Divino.


No início é sempre dada a oportunidade a um planeta de, num espaço de tempo muito curto, exprimir essa Super Vida, ou seja, a evolução universal é uma forma de transportar a vida de vaso em vaso até à Super Vida (Vida Divina imortal).


No início existiu uma raça que havia sido cuidadosamente preparada pelos Elohins, pelos pensadores originais, para representar a Super Vida num mínimo tempo evolutivo possível.


Quando o Pai gera uma estação UR, Ele envia uma representante sua que é descrita na metafísica judaica como Shekinah – A Presença.

Shekinah traduz-se, em termos ocidentais, por Espírito Santo.

A Shekinah já esteve plenamente vibrando na Terra. No início a Presença Divina saturava a atmosfera, ela era luminescente, as curvas de oxidação celular eram nulas, toda a Terra, a começar pela Raça residente, era “Em Glória”. Todo o planeta vivia aceleradamente na direcção da Super Vida.

Quando a Terra atingiu um certo grau de refinamento na resposta à Super Vida, ela tornou-se extremamente apetecível para certas hierarquias de mestres cósmicos descontinuados do projecto do Pai. Elas implantaram na Terra um gigantesco sistema de controle e cortaram o poder de diferenciação do nosso ADN. As principais antenas foram desligadas. A capacidade do nosso suporte fixar a vida foi diminuída e a Terra entrou numa entropia.

Como esses deuses caídos se alimentam do medo e das emoções colectivas, eles usaram as emoções como quem usa uma fonte de alimento.

As figuras objectivas nas quais nos projectamos (os ídolos) passaram, a partir de então, a ter uma função ambígua: tanto podem ser usados como transporte da consciência para o Plano Original, como podem ser manipulados por essas hierarquias intermédias para aprisionar a consciência colectiva, ou seja, a mesma Virgem Maria pode ser usada para libertar ou para aprisionar a consciência, depende da entidade oculta que a utiliza ou da sensibilidade do devoto.

A Presença Divina que saturava a atmosfera e “brincava” com toda a Criação, recolheu-se. Significa que, quando Jesus disse: “Eu vou mas deixo-vos o Espírito Santo”, Ele estava a reconstituir “algo” que no início... – há uma fase em que os vulcões já arrefeceram, existem planícies tranquilas e em que já se extinguiram uma série de espécies. A Raça Hiperbórea começa a adquirir densidade, contacto com a matéria, foi nesse momento que a matriz de controle foi instalada. Aquilo que deveria ter sido um suave tocar a matéria para depois subir de novo segundo um plano original em 3 esferas de descida, transformou-se numa queda. Ou seja, estava prevista uma descida para dentro da matéria em que a consciência hiperbórea iria revestir-se de pirâmides bioquímicas terrestres feitas de hidrogénio e carbono e depois iria seguir com o mínimo de serpentear. O que aconteceu foi uma secção em relação ao poder de retorno e uma queda a nível cada vez mais denso da manifestação.


Neste processo, a Shekinah (Espírito Santo) recolheu-se em duas fases:

Na primeira, até à Atlântida, ele recolheu aos templos. No plano original do Pai não existem templos, eles são um mal necessário. O templo é um ecossistema energético oculto que tenta compensar um adormecimento e no início a Terra está saturada pela Shekinah, ela vibrava próxima do Divino.

Essa parte feminina do Logos planetário foi recolhendo cada vez mais e instalou-se no interior dos templos.


Durante a Atlântida deu-se a fundação dos templos – instala-se a divisão sagrado/profano. Há regiões em que há saturação da Presença e outras regiões em que não há saturação da Presença, isso inclusive, existe claramente expresso no nosso corpo.


O meu corpo não é um templo, ele foi um templo há muitos milhares de anos atrás. Regiões do corpo são um templo. Aquilo que foi a atrofia progressiva do Espírito Santo reflectiu-se igualmente no nosso corpo visto que ele é uma tradução directa, fiel, da evolução da Terra.

As belíssimas lendas judaicas antigas referem o tempo de Enoch e antes do tempo de Enoch, quando se falava do Jardim dizia-se que a Presença (Shekinah) saturava todo o Jardim e que mesmo depois de Adão ter sido expulso, ele ia até à entrada do Jardim para contemplar o Jardim e que a Shekinah era um brilho na Terra inteira que a mantinha ligada aos Grandes Tractores de divinização da matéria.


Este ponto na lenda judaica refere-se ao templo.


Quando Adão está no Jardim e a presença do Pai satura tudo, não existe a função templo, mas quando se dá a separação e uma dissociação em relação ao plano original, passa-se a chamar sagrado o que está vibrando de acordo com o plano original e profano o que está vibrando fora do plano original. Não há mitologia sem esta linha divisória. Sem esta linha há Gnose (conhecimento supremo). Assim que há a quebra do diamante nasce a mitologia, nasce o conto sobre o que aconteceu.


Quando a Mãe viu o grau de desconexão em que a Terra entrou através da Atlântida, Ela “velou o seu rosto”, recolheu ao interior do Sacrário.

A nível da nossa anatomia, o recolhimento do Espírito Santo traduziu-se pela passagem da pineal, do tamanho de uma bola de pingue-pongue, para o tamanho de uma ervilha. Quando não se usa uma coisa a natureza encarrega-se de a fazer desaparecer gradualmente.


O vórtice no centro da consciência cerebral só serve para adorar o Divino. Com a queda, a Presença foi-se retirando, concentrando cada vez mais no centro até que implodiu. A Mãe saiu pelo ponto onde tinha entrado. No nosso caso tem a ver com o recolher dos poderes imortais cada vez mais na direcção do cóccix.


O Logos planetário tem das polaridades: masculina – o Senhor do Mundo; feminina – a Mãe do Mundo.

O Senhor do Mundo actua de cima para baixo. A Mãe do Mundo actua de baixo para cima. Ela entra no coração oculto da Terra e a partir daí o seu Cântico é emanado por toda a Criação.


Estamos a falar de consciências galácticas ao serviço da evolução cósmica neste planeta.




A Mãe do Mundo é para onde se dirige a força do Espírito Santo. Quando o Espírito Santo se recolheu para o interior dos templos, a Mãe do Mundo era tangível, Ela era a matriz de todos os protótipos da Deusa. Existe Gaia, num outro plano, Maria e assim sucessivamente, é a matriz, é um ser com uma evolução muito alta.




Com a segunda queda da Atlântida Ela saiu da acção directa sobre a evolução humana e recolheu profundamente para dentro do Sacrário. Hoje é perfeitamente possível existirem templos ortodoxos cujo sacrário não contém presença alguma porque essa Presença pode estar em qualquer lugar.




A nova etapa marca uma alteração completa do corpo físico, etérico, emocional e mental. Nos últimos anos o nosso corpo espiritual recebeu um tremendo impulso da Hierarquia. As nossas almas, hoje, já se libertaram e estão viradas para a mónada recebendo o vento divino.




O que nós vamos ter nos próximos anos é um ritual planetário de reconfiguração do corpo, da mente e das emoções em relação ao ponto em que as almas já estão, ou seja, os nossos veículos subtis já estão vibrando na Nova Terra mas devido à ausência da Shekinah – quando Jesus diz: “Eu vou embora mas fica convosco o Espírito Santo” no grau em que a Humanidade o podia receber porque o Espírito Santo a sério é o Pentecostes, é uma chama de fogo (pomba) que desce na pineal, desimpede a coluna de cristal, as pessoas aprendem a respirar cosmicamente e não apenas pelos pulmões, dá-se uma ligação da Mãe com o Pai (cóccix com a pineal) através do Filho, do coração aberto, isto é que é o retorno da Pomba. Quando isto acontece espalha-se um novo código genético e é instalada uma nova realidade no corpo todo.


Com a ausência ou recolhimento do Espírito Santo na Terra, primeiro aos templos depois aos sacrários, e hoje já nem se sabe onde está, este recolher em várias fazes traduz-se por uma ausência de protocolo divino na aceleração da personalidade, ou seja, até aos anos 80, o agente que aceleraria a personalidade ao mesmo ritmo com que o Cristo acelera a consciência estava ausente, entretanto, essa Pomba está sobre as nossas cabeças.


O que marca os próximos anos é uma reconfiguração da personalidade como se mãos escultoras viessem ao encontro da velha massa e estão esculpindo de novo o que nós somos.
 

Existem dois circuitos intimamente ligados à evolução da forma e do nosso ser tridimensional. Quando se diz que estamos no processo de retorno da Mãe, significa que Deus cada vez mais será compreendido como um abraço e como Graça. Ele tem sido compreendido como Lei, Vontade e Direcção, como Meta, Magnetismo Superior e como a Voz do centro do teu ser. Ele tem sido compreendido como Aquele que faz a linha divisória dentro de ti entre o que não é actual e o que é actual (o bem e o mal).




A Mãe vem como uma expressão da Graça, Ela não vem para julgar e a atmosfera vai começar a ficar saturada de uma energia de perdão à escala planetária. A força da Mãe agindo através das nossas consciências e do nosso ser pede uma compreensão dos limites dos outros.




O Pai é Lei, a Mãe é Compaixão.




Essa força que está a surgir no planeta, ela diz: “é pela aceitação profunda do limite do outro que vocês compreendem a nossa vibração”.




Na antiga Lei – Shambala –, ainda que a compaixão estivesse totalmente presente, o que era estimulada na consciência era a percepção do Caminho e a percepção de que este ser não é perfeito, portanto, não é o Caminho, então eu vou em busca do Caminho e havia um processo de rejeição e aceitação muito forte. Isso tinha a ver com a polaridade masculina do Logos planetário e com a criação de vectores, o mais rapidamente possível, para dentro da luz, isso acabou.




Nós hoje só vemos Caminho quando conhecemos o poder de destravar a energia que só a Compaixão contém.




O nosso coração está dentro de uma cápsula hermética que só é despressurizada através da compaixão. Eu tenho que olhar para o perfeito e o imperfeito com um coração impassível porque nós olhamos para o perfeito e amamo-lo e olhamos para o imperfeito e observamos, julgamos, quando não rejeitamos o imperfeito, isso não é a energia da Mãe.




O nosso coração permanece como uma tampa fechada a vácuo enquanto nós não praticamos a capacidade de incluir o outro no nosso próprio afecto e o que a Mãe pede é um coração idêntico (coração em chamas) em relação a todos os pontos à sua volta. Isto precisa de ser trabalhado.




O abraço da Mãe é todo abrangente, Ela não está interessada em fragmentar a Criação, Ela está distribuída por toda a Criação. Os teus corpos são parte da Mãe.




Quando a Mãe do Mundo se ocultou, ocultou-se num estado que para nós terá de ser traduzido por dor. A exteriorização progressiva da Mãe é feita através dos corpos físico, astral dos homens, é feita através da nossa mente. Ela precisa da consagração do homem para se exprimir. Sem isso Ela está asfixiada no âmago da matéria e, no que diz respeito à Mãe do Mundo, está travada no interior da Terra.




Os canais de emergência da Mãe somos nós. As estrelas no manto de Maria são o teu corpo físico, mental, emocional, és tu enquanto um ser terrestre. É a tua vibração que permite o transpirar da energia divina ou o seu bloqueio.




Nos próximos anos nós vamos ser violentamente sacudidos pela Mãe. É como se tudo o que é crosta, registo emocional velho, vibração astral velha, fosse cuspido para fora do teu campo vibratório. A Mãe vai usar os líquidos do corpo abundantemente para eliminar informação astral que está dentro de nós.




Uma lágrima é um saturado de informação astral. Uma lágrima é quando a Mãe decide que aquela emoção tem de ser expressa e tem de ser eliminada. O saco lacrimal enche-se na proporção em que a Mãe está preparando para ejectar informação emocional que já não é útil ao teu processo evolutivo (lágrima em termos ocultos), daí que é muito complicado a pessoa desaprender de chorar.




Nós vamos ser sacudidos, visitados, confrontados, vamos passar por expurgos muito intensos (no caso de algumas pessoas), por visões de cargas que estavam no inconsciente e vão ser ejectadas para fora do campo do ser e passam pela lente da consciência. Para a Mãe chegar, nós vamos ser virados do direito porque nós estamos virados do avesso. Isto vai dar uma volta completa e grande parte do processo passa-se nestes 80% de água de que as nossas células estão saturadas. Esta água salina está saturada de informação emocional e isto vai ser eliminado pela urina, pela transpiração, pelos olhos.




Sempre que estiverem eliminando líquidos visualizem que estão eliminando cascões civilizacionais.




Neste momento a Mãe tomou conta do processo.




Em termos internos, os Irmãos observam que o balão do veleiro já vai bem à frente. Raramente a nossa consciência, actualmente, aprova uma coisa negativa, raramente ela se liga a uma coisa externa, banal, este já não é o ponto dos seres que se estão preparando para a ponte entre os dois mundos (3ª e 4ª dimensão).




O trabalho na consciência está feito. Entramos numa fase em que os Irmãos nos pedem quietude que permite a Mãe entrar no sistema e lavar o que não pertence a Ela. O novo Sacrário somos nós.




Ela recolheu-se da atmosfera para o interior dos templos.

Recolheu-se do interior dos templos para o Sacrário

Implodiu no Sacrário, tal como nós o conhecemos e

Milhares de anos depois aparece dentro de nós transformando completamente o nosso corpo.

Quando nós temos “aquela figura feminina” falando ao Francisco (corpo mental), à Jacinta (corpo astral) e à Lúcia (corpo físico), temos a Mãe dizendo aos 3 corpos da personalidade: “virem-se para Deus” – Conversão. É como se Ela dissesse: “ponham a consciência neste ângulo de forma que eu possa trabalhar os vossos corpos e aliviar todas as vossas cargas”.




Portanto temos essa consciência do plano intuitivo superior, “Maria”, – Ela está bem para além do plano intuitivo, mas Ela representa, neste momento a membrana de Lis (estimulação da membrana intuitiva da Humanidade – ligação entre a personalidade e o ser interno – a zona de transferência). E Ela diz: “a partir daqui vocês não podem fazer mais nada do que se virar para o Alto e orar e deixem o resto comigo”.




Os 2 circuitos de que falamos estão relacionados com 2 triângulos: Um é composto por Miz Tli Tlan, que é a lente que capta a vibração divina para este planeta. Miz Tli Tlan é como uma imensa parabólica dourada (o disco dourado dos Incas é uma alegoria) cuja radiação penetra no espaço cósmico profundo até Orion. É de Orion que Miz Tli Tlan recebe os disparos de luz (informação divina) é a função mais sublime deste planeta. Ele está numa frequência que faz um bypass em relação à zona das hierarquias caídas. Esta zona localiza-se na região da Ursa Maior, é aí que estão estacionados os centros de distorção de força que aprisionam a Humanidade nas leis do carma, da reencarnação, da morte, do medo, da mentira.




A corrente divina vem de Orion e quando entra em regiões cada vez mais concretas da Criação, os raios são distorcidos e eles retiram a inteligência divina superior e guardam a força – porque um raio tem 2 aspectos: energia e força – e esta força usam-na para criar falsos ídolos na Terra. Falsos ídolos podem ser iguais a verdadeiros ídolos, depende da energia que irradia, de como tu as utilizas ou como és ensinado a utilizar.




Esse Ser feminino, anunciando-se a essas 3 crianças (representativas do físico, do emocional e do mental) está a ajudar a humanidade dizendo: “fundam-se, unam-se e adorem”.




Adorar é a função mais essencial dos próximos tempos. Sem Adoração não há transmutação da força. Quando emanamos luz e vem uma onda de retorno da parte da pessoa que recebeu essa luz, se não adoramos não temos para quem canalizar essa luz. A luz em vez de desaparecer no vórtex do coração e no centro da pineal, como isso não está a ser estimulado, a luz começa a fixar-se no plexo solar. Tu começas a ser um trabalhador da luz com um plexo solar cada vez maior, como a história do sapo que queria ser como o boi.




ATENÇÃO! Porque tu vais ser investido com muita energia de retorno da parte das pessoas a que te compete servir e se tu tens Adoração e Amor, tu não tens diafragma para enviar a luz que os outros te passam e fica retida no plexo solar e, indirectamente, começa a estimular o próprio ego.




Para que o indivíduo possa dar e receber a luz completa ele necessita de Adorar.




Nós não temos prática de adoração sem ídolo. O Foco, a reunião de todas as energias da consciência em torno do único ponto no centro do ser e, no secreto, elevá-lo ao Pai e Adorar, não está estimulado na maior parte dos servidores e Eles não podem amplificar a tua voltagem se não tens fusível de retorno.




É fundamental, à medida que nos aproximamos dos postos de serviço, praticar a Adoração. Não se trata de saber transmutar o mal, nesta fase trata-se de ancorar o bem, a luz, o Cristo e a Verdade no grau que te está destinado, deixar que isso se liberte de ti e se irradie à tua volta e permanecer igual a ti mesmo em todas as circunstâncias. Esta transmutação do bem só se faz com a Adoração.




Miz Tli Tlan capta essa energia cósmica superior e faz um circuito alternativo que não é apanhado pelas hierarquias caídas. Isso faz triângulo com Lis e Iberah. O outro triângulo é entre Aurora, Lys e Iberah.




Miz Tli Tlan faz chover para dentro do espelho de Lis a vibração dos Arquétipos, ou seja, o propósito original fiel à vontade do Pai sem nenhum desvio de nenhum nível. Miz Tli Tlan contém a mais alta concentração de resposta ao Divino que se encontra na Terra. É como se tivéssemos um sino dourado com o diâmetro de Lis inteira. Experimentem tocá-lo! O mais real é, quando tu focas o que sai é silêncio e quanto mais profundo é o vácuo e o silêncio mais o que passa de Miz Tli Tlan para baixo se transforma em som, mas, no seu próprio plano, é silêncio profundo.




Miz – significa “sábio”. Tli Tlan – significa “cidade” “Cidade dos Homens Sábios” ou “Vaso da Sabedoria”. Como Tenoch Tli Tlan – “Cidade de Enoch”.




Este Centro irradia o código perfeito para a Terra, para Lis/Fátima, que, por sua vez, transforma essa instrução superior em moldes. Isto é, antes de haver uma folha de castanheiro, há uma sequência de desdobramento das mitoses que fornecem a diferenciação celular que constrói – o molde está lá.




Então, Miz Tli Tlan emana os arquétipos e Lis gera os moldes, os envelopes electromagnéticos que estabilizarão o plasma da vida em forma, reino e veículos. Esta não é a única função de Lys.




A Virgem está associada a Lis porque a Virgem é a perfeita forma da personalidade. Virgem é o que acontece após a 3ª iniciação, dá-se uma transfiguração e a personalidade é despida da matriz de controle e nesse momento tu reflectes o Divino sem distorção – tu és Virgem.




Esta é a função de Lis e estes moldes são levados a Iberah (Centro que lida com a energia sexual planetária) composto por hierarquias que parecem guerreiros, indígenas, trabalham com bastões de energia Vrill que conduzem força cósmica – é um centro masculino e lida com o verter do plasma da Vida dentro dos moldes, ou seja, Lis fornece suportes, moldes, desenhos e Iberah fornece o elemental que vai habitar aqueles moldes.




Iberah é o forno e lida com o derreter do ferro e portanto com o retorno de tudo ao nível elemental, lida com a reciclagem total das forças e das energias que em tempos foram uma forma – o habitante da forma foi para um plano superior e depois dá-se uma desagregação, uma decomposição daquela forma e ficam os elementos, os níveis atómicos.




Iberah é uma gigantesca antena que está situada no interior profundo da América do Sul. De vibração vermelho incandescente capta toda a força elemental da Terra, recicla-a, fá-la retornar ao estágio mais puro possível e volta a vertê-la em novos moldes.




Portanto, temos:




Miz Ti Tlan – andrógino – gerando arquétipos;




Lis – feminino – gerando moldes, matrizes;




Iberah – masculino – vertendo plasma de vida nesses moldes.




Isto é feito constantemente a nível global. Na formação do desenvolvimento do feto temos bem compactado o processo Miz Tli Tlan/Lys/Iberah.




Iberah lida com a energia sexual do planeta e com o poder de materializar. É o Centro mais potente deste planeta. Lida com frequências muito mais próximas da matéria, enquanto que Miz Tli Tlan lida com a adaptação do Divino à Terra e levar a Terra ao Divino. Do ponto de vista cósmico divino, todos os centros intraterrenos são um só.




A energia de Iberah é tão potente que alguns magos aprenderam a desviá-la.




O “Tantra da mão esquerda”, o Tantra que utiliza práticas sexuais para ligar o Pai à Mãe, foi um nível de experiência autorizado pela evolução neste planeta até ao fim da Lemúria e depois recolheu alguns pontos onde continuou a ser autorizado porque existiam mestres capazes de ensinar uma progressão tântrica útil, criativa.




A partir da Atlântida o “Tantra da mão esquerda” foi totalmente desautorizado neste planeta.




Quando os soldados americanos chegaram a Berlim uma das descobertas mais estranhas que fizeram foi o encontro de um grupo de lamas tibetanos, em plena Berlim, mortos em círculo (100).




O que se percebeu é que “o outro ser” estava usando conhecimentos dos Tantra tibetano da mão esquerda para desviar força sagrada de Iberah. O 3º Reich era apenas a 1ª alternativa – eles tinham dois planos alternativos. A alternativa 2 seria feita toda na Argentina, tanto assim que a maior parte dos nazis que escaparam ao julgamento fugiram para o Brasil e Argentina porque aí eles teriam alguns magos já preparados para continuar a desviar força de 1º Raio (Iberah é 1º Raio) para os seus próprios fins. Isto é para percebermos o poder desse centro.




Se o Tantra da mão esquerda – sexual/físico – foi desautorizado pela Hierarquia, o Tantra da mão direita – o mantra, o yantra, o desenho, o hieróglifo sagrado, o ritual que vem do profundo do ser – tudo isso é Tantra. Sempre que dois triângulos tiverem que se ligar é tantra, e isso é estimulado por Iberah porque certos sons, certas formas geométricas alteram a vibração da matéria, tudo isto é tantra.




Sempre que temos a forma associada a uma função espiritual estamos em tantra. Tantra é uma realidade muito abrangente que relaciona forma com uma função divina. Lis capta a vontade do Pai, gera moldes que depois são preenchidos por esses varões de energia Vrill – elementais.




A forma pulsa, tem calor. A função de Lis é a geração de moldes para a vida.




O outro triângulo tem a ver com a cura cósmica – Aurora/Lis/Iberah.




Depois de Iberah ter preenchido os moldes com a forma e a forma estar viva (toda a vida, uma criança, uma borboleta, a consciência em evolução, a evolução do sentimento, etc.), isto fica vibrando entre Lis e Iberah. Como nós estamos submetidos a uma matriz que distorce o Divino, Aurora, constantemente, ajusta a forma de novo ao molde.




Aurora, que trabalha com energia violeta, é uma embaixada de Andrómeda na Terra. O poder de Aurora – 1º e 6º Raios – é de curar a vida, de replasmar nos moldes.




É como se tivéssemos uma sacerdotisa que segura o molde num lado do triângulo e tem um sacerdote ígneo, com bastão de fogo a injectar o elemento primordial no interior do molde de forma que a Vida seja. E Aurora, em cima, é como um curador cósmico que verifica ao longo do processo daquela vida, naquela forma, as distorções, e quando a distorção atinge um certo nível, ajusta amorosamente de novo a vida e a forma ao molde.


Aurora rege o plano emocional da Terra. Isto significa que a maior possibilidade de distorção deste planeta é feito pelo corpo emocional.


Estes centros estão muito ligados à Mãe do Mundo, ao problema da cura, ao fim do carma, à libertação do ser e à reunião do ser ao seu grupo cósmico.


André Louro de Almeida

Autor da Imagem
"Shamballa": Daniel B:Holeman
Retirado do blog Deusa Solar:

http://deusasolar.blogspot.com/2010/05/o-caminho-para-super-vida-o.html