terça-feira, 15 de maio de 2012

"O Despertar do Guerreiro Sagrado" - Excertos de um texto de autoria de André Louro de Almeida"




 "Falar sobre sexualidade, ou falar sobre purificação, ou sobre sobrevivência, é todo um universo. Ao mesmo tempo que eu percebo que aquilo é colocado à minha frente - o que quer que seja - porque o Divino conhece as minhas reais necessidades, e nós estamos a falar de uma coisa que é inteiramente hormonal, ligado à imaginação, ligado ao nosso poder de criar com a mente, ligado às nossas carências afectivas. A palavra sexo é tão vaga, eu sou capaz de imaginar 500 coisas que as pessoas chamam sexo, nenhuma delas é sexo. Nós somos vítimas de uma educação vitoriana, puritana, errada. O meio termo fica no amor. O meio termo é assim: sexo sem rosto, é Marte; sexo com rosto é Vénus. É toda a diferença entre pornografia, erotismo, e erotismo superior. Sexo com olhos que brilham e agradecem de felicidade, é amor. Depois do judaico-cristianismo ter posto a parra a nível genital, veio a sociedade contemporânea e pôs a parra no rosto. Todo o paradigma da pornografia consiste em pôr uma parra no rosto. As funções do corpo, do corpo astral e da mente devem propiciar a obra do Divino. Se tu sais de uma refeição com uma dor de estômago e com a sensação que acabaste de fazer uma estupidez nutricional, tu comeste demais e comeste o que não devias. Se eu me envolvo sexualmente com indivíduos que correspondem ao meu processo, se o meu ser interno esteve presente naquele acto sexual e o ser interno do outro também esteve presente, eu saio dessa experiência energizado. Sexualidade que te energiza, que abre o teu coração e que te põe na varanda a olhar para os passarinhos, é uma sexualidade do espírito. Uma sexualidade que te desvitaliza e que corta a tua sensação de norteamento, social, psicológico e espiritual, é uma sexualidade que o teu ser interno não está a reconhecer. O tantra é uma disciplina altíssima, que implica uma qualificação total do desejo. Os casais da nova Terra vão utilizar elementos tântricos, na proporção em que eles são necessários para a descida do novo casal. O verdadeiro tantra é uma coisa que os ocidentais terão sempre muita dificuldade em compreender, porque é a sacralização da energia sexual, isso vai ser realizado por esta humanidade. O verdadeiro tantra, fazer amor ou não fazer amor é rigorosamente igual. O trabalho deste ser em formação é que ele está a ser purificado nos seus corpos, está sendo trazido do limbo dos automatismos para zonas de consciência cada vez mais abrangentes. Tudo passa a ser um acto consciente cada vez mais. Nós temos actos no dia a dia perfeitamente automáticos, e o que os Irmãos estão a preparar em nós é ultra consciência a cada momento. Estar desperto, e não automático. A energia sexual continua a manifestar-se nas regiões que exprimem essa energia, o que se passa, é que a tua consciência vive essa descida da energia para essa zona laranja, procriativa, mas a consciência não desce. O problema dos Mestres em relação ao abuso dessas zonas do ser, é porque elas estão sendo utilizadas da forma antiga, elas fazem com que a consciência desça. Eu preciso de manter a minha consciência límpida. A consciência está sendo transformada num diamante e ela não deve ser nunca, por nenhum motivo, opalecida. Esses estados de consciência que não querem que a Terra evolua, essas forças involutivas presentes neste planeta disseram: "isto é um planeta sexual"! Utilizando uma linguagem simbólica, o que aconteceu é que a pérola da sexualidade foi roubada pelas forças involutivas e guardada por uma serpente no fundo de uma caverna. As forças involutivas não se interessam nada com o que tu andas a fazer com os teus genitais, elas ficam todas contentes é porque cada vez que tu vais para essa zona do teu ser a tua vibração desce, a Hierarquia depois não consegue contactar contigo e tu ficas enclausurado nessa zona. Este é que é o ponto. As forças involutivas não focalizam actos, elas focalizam vibração. Agora, existe uma sexualidade sagrada, existe uma alimentação sagrada, existe. Aquilo que nós já fazemos com a alimentação, que é comer com gratidão, comer consciente que aquele alimento é uma parte da formação do nosso templo físico, tu vais pondo de parte aquilo que não sentes que te corrresponde, até que há um momento em que pura e simplesmente aquilo é a tua alimentação exacta. E quando tu comes, comes com gratidão, com consciência da subtileza daquilo, com consciência de ausência de carma que aquela alimentação tem. Com a sexualidade é a mesma coisa. Eu preciso de me interessar cada vez mais por tarefas altruístas, por tarefas que digam respeito à luz dos outros, porque uma boa parte das forças dos corpos que vivem na zona subdiafragmática através do trabalho altruísta sobem para o coração e exprimem-se através do chacra laríngio isso é a verdadeira transmutação da força. Há pessoas com imensa energia básica, isso é fantástico porque esses indivíduos têm muito para dar a nível da implantação da luz na Terra. De onde é que vem a energia? Quando se fala de energia sexual de onde é que ela vem? Ela vem do Divino através do chacra básico da Terra. Tu podes excitar a energia sexual no sentido espiritual, em oração, porque se eu não estou aberto para o espírito, essa energia ao subir vai suprimir as zonas que lhe correspondem em termos biológicos. É fundamental eu viver uma vida de oração para que haja espiritualidade, e se eu tenho essa vida de oração, gradualmente a energia básica encontra o seu caminho para se exprimir através do chacra cardíaco, depois através do chacra laríngio e assim sucessivamente. Qualquer força subdiafragmática, qualquer força básica em nós é um discípulo teu. A tua potência, a tua raiva, a tua sexualidade, a tua necessidade de te experimentares, tudo isso tem que estar incluído em ti, mas tem que encontrar uma ondulação pela qual vai pertencendo cada vez mais ao Divino até que tu chegas à condição de krishna que é o arqueiro que dispara uma flecha. Este trabalho tem a ver com o guerreiro carmim. Nos próximos dez anos, centenas de milhar de seres humanos vão receber a 1ª, a 2ª, e a 3ª iniciação. Neste momento, há três ou quatro obstáculos e um deles é que nós ainda não conseguimos ser suficientemente sinceros, para que a força do 1º raio monádico possa trabalhar através de nós. 1º Raio, igual a sinceridade. Agora, como a sinceridade é uma coisa à qual nós não estamos habituados porque nós vivemos numa sociedade cosmética, nós vivemos constantemente a tentar convencer alguém de alguma coisa, em vez de te convenceres a ti a caminhares como o Divino, e depois tudo acontece por acréscimo, como eu não estou a fazer esse trabalho, a sinceridade transformou-se numa espécie de meditação para nós. Para eu poder ser claro, absoluto e sincero com a minha relação com o espírito, passa por eu fazer meditação, porque a estática social, a estática entre as pessoas, a troca de elementais de baixa qualidade entre os seres humanos é tão constante, que nos esquecemos que isso existe. 



(...) André Louro de Almeida

imagem de autor: Alex Grey

Love Is A Cosmic Force


www.alexgrey.com

Sem comentários: